terça-feira, 18 de novembro de 2008

A Parábola das Dez Virgens


A PARÁBOLA DAS DEZ VIRGENS
Ref.: Mateus 25:1 a 13
A parábola das Dez Virgens contada por Jesus mostra a diferença entre os verdadeiros crentes e os cristãos nominais, enfatizando a chamada à vigilância para a iminente vinda do Senhor Jesus para arrebatar sua Igreja fiel na terra. Parábola é a narração de uma estória com o fim de ensinar ou ilustrar verdades morais e espirituais.
1-) V.1 "O reino dos céus será semelhante a dez virgens". O salvo é participante do reino dos céus e o será do reino de Deus na terra. Em 2 Tm. 2:10 a 12 diz: "Esta palavra é digna de confiança:... se perseveramos, com ele também reinaremos...".
2-) V.1-b: "... a Dez virgens que pegaram suas candeias e saíram para encontrar-se com o noivo." Naquele tempo e cultura, era costume a noiva no dia do seu casamento, ao sair para encontrar-se com o noivo, se fazer acompanhar de dez damas virgens, com suas lâmpadas acesas. Aliás, o culto na sinagoga não se realizava se não houvesse pelo menos dez pessoas, assim como outros atos. Estas Virgens deviam ser moças irrepreensíveis. Eram a figura do crente cuja vida exterior e interior estava sem mancha nenhuma. O apóstolo Paulo retrata este tipo de amor aos crentes de Corinto em sua 2ª. carta (2 Co. 11:2): "O zelo que tenho por vocês é um zelo que vem de Deus. Eu os prometi a um único marido, Cristo, querendo apresentá-los a ele como uma virgem pura."
3-) V. 2: "Cinco delas eram insensatas...". Insensatas quer dizer ignorantes, desmazeladas, loucas, irresponsáveis.
4-) V.2-b: "...cinco eram prudentes." A prudência é sinal de sabedoria! Em Pv.9:9 e 10 lemos: "Instrua o homem sábio, e ele será ainda mais sábio;...O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo é entendimento."
5-) V. 3: "As insensatas pegaram suas candeias, mas não levaram óleo". Azeite na bíblia é símbolo do Espírito Santo que sustenta a chama da fé, a luz do amor, o conhecimento da Palavra de Deus, a esperança, o amor, o zelo, a paciência, a firmeza em nossa vida. Jesus foi ungido por Deus" (At. 10:38).
6-) Vs.3 e 4: "Candeias ou Lâmpadas". Os discípulos são chamados de 'luz do mundo' e nós também o somos. São palavras de Jesus: "Vocês são a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade construída sobre um monte. E, também, ninguém acende uma candeia e a coloca debaixo de uma vasilha. Ao contrário, coloca-a no lugar apropriado, e assim ilumina a todos os que estão na casa. Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus." (Mt. 5:14 a 16). A Igreja é o candeeiro do Senhor: "Este é o mistério das sete estrelas que você viu em minha mão direita e dos sete candelabros: as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete candelabros são as sete igrejas." (Ap. 1:20)
7-) V. 4: "As prudentes, porém, levaram óleo em vasilhas, junto com suas candeias." As dez lâmpadas estavam acesas e assim continuaram. As prudentes representam os crentes que têm azeite de 'reserva', que buscam experiências novas e mais profundas com Deus para a hora de provação. Devemos buscar o enchimento com o Espírito Santo: "Não se embriaguem com vinho, que leva à libertinagem, mas deixem-se encher pelo Espírito, falando entre si com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando e louvando de coração ao Senhor" (Ef. 5:18 e 19). No dia do Pentecoste, todos os que buscavam a Deus foram cheios do Espírito Santo:"Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar noutras línguas , conforme o Espírito os capacitava." (At. 2:4).
8-) V.5: " O noivo demorou a chegar". Provamos nossa fidelidade com nossa perseverança e fé. Sua vinda não era para ser imediata, mas de repente. O dia da vinda do Noivo, Jesus, não nos é revelado para que cada dia seja para nós da maior importância. Na parábola dos talentos, Jesus falou a respeito de demora: "Depois de muito tempo o senhor daqueles servos voltou e acertou contas com eles." (Mt. 25:19)
9-) V.5-b: "e todas (as virgens) ficaram com sono e adormeceram". As damas de companhia da noiva adormeceram, talvez pelo cansaço de esperar a vinda do noivo. Este "adormecer" para nós significa os demais afazeres do cotidiano que nos envolvem; mas devemos estar preparados e atentos.
10-) V.6: "À meia-noite, ouviu-se um grito: 'O noivo se aproxima! Saiam para encontrá-lo!' Apesar de Cristo parecer estar tardando, Ele virá buscar a Igreja,a Noiva, no tempo do Pai!
11-) V.8: "As (virgens) insensatas disseram às prudentes: 'Dêem-nos um pouco do seu óleo, pois as nossas candeias estão se apagando". É a atitude dos que desprezam a vida piedosa, humilde, contrita e cheia do Espírito Santo. Todas eram virgens, damas de honra da noiva, iam para o mesmo lugar, esperavam o noivo, levavam lâmpadas acesas, mas, à meia-noite, descobriu-se a grande diferença: faltava o azeite nas vasilhas. Vida de superficialidade!
12-) V.9: "Elas responderam: 'Não, pois pode ser que não haja o suficiente para nós e para vocês. Vão comprar óleo para vocês'". Não podemos tomar emprestado a bênção ou a abundante graça de um irmão, nem dar vida espiritual ao próximo: É só Jesus, pelo Seu Espírito!
13-) V.10: "Vão comprar óleo para vocês'. E saindo elas para comprar o óleo, chegou o noivo
14-) V.10-b: "...As virgens que estavam preparadas entraram com ele para o banquete nupcial...". Em Ap. 19:9 encontramos: "E o anjo me disse: "Escreva: Felizes os convidados para o banquete do casamento do Cordeiro!" E acrescentou: "Estas são as palavras verdadeiras de Deus".
15-) V.10-c: "...E a porta foi fechada." A hora da oportunidade é hoje e agora! "Amanhã pode ser muito tarde; hoje Cristo o quer libertar!", diz o poeta sacro
16-) V.11: "Mais tarde vieram também as outras (insensatas) e disseram: 'Senhor! Senhor! Abra a porta para nós!". Fechada a porta da oportunidade, não existe o jeitinho brasileiro de quebrar o galho, nem estágio intermediário, e nem reencarnação. É a figura dos crentes relaxados que não dão o devido valor à comunhão com Deus na leitura da Palavra, na oração e no testemunho de Jesus. Acham que, no último momento, vão ler a bíblia e orar para conseguir o azeite. A teologia de Paulo é clara e definida: "...E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, não pertence a Cristo." (Rm. 8:9)
Amados, o momento de nosso encontro com Jesus está muito próximo; mais do que pensamos - seja pela nossa morte ou pelo arrebatamento da Igreja. Como está a "reserva" do azeite (Espírito Santo) em sua vida? Você está preparado para o encontro com Jesus, o Noivo? A oportunidade de nos prepararmos é hoje e agora




Pastor Eliel de Souza

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

UMA MENSAGEM A IGREJA DE ÉFESO - Ap 2.1-7

A igreja em Éfeso (1): Éfeso era a cidade mais importante da província romana de Ásia. Foi situada perto do mar Egeu. Duas estradas importantes cruzaram em Éfeso, uma seguindo a costa e a outra continuando para o interior, passando por Laodicéia. Assim, Éfeso teve uma localização importantíssima de contato entre os dois lados do império romano (a Europa e a Ásia). Historiadores geralmente calculam a população da cidade no primeiro século entre 250.000 e 500.000. Éfeso era conhecida, também, como o foco de adoração da deusa da fertilidade, Ártemis ou Diana.
Sabemos algumas coisas sobre a história da igreja em Éfeso de outros livros do Novo Testamento. No final de sua segunda viagem, Paulo deixou Áqüila e Priscila em Éfeso, onde corrigiram o entendimento incompleto de Apolo sobre o caminho do Senhor (Atos 18:18-26). Na terceira viagem, Paulo voltou para Éfeso, onde pregou a palavra de Deus por três anos (Atos 19:1-41; 20:31). Na volta da mesma viagem, passou em Mileto e encontrou-se com os presbíteros de Éfeso (Atos 20:17-38). Durante os anos na prisão, Paulo escreveu a epístola aos efésios. Também deixou Timóteo em Éfeso para edificar os irmãos (1 Timóteo 1:3).
Destas diversas referências aos efésios, podemos observar algumas coisas importantes sobre essa igreja. Desde o início, houve a necessidade de examinar doutrinas e aceitar somente o que Deus havia revelado. Assim, Áqüila e Priscila ajudaram Apolo (Atos 18:26); Paulo advertiu os presbíteros do perigo de falsos mestres entre eles (Atos 20:29-31), e orientou Timóteo a admoestar os irmãos a não ensinarem outra doutrina (1 Timóteo 1:3-7). A carta de Paulo aos efésios destacou a importância do amor (5:2), um tema frisado, também, nesta carta no Apocalipse.
Aquele que conserva na mão direita as sete estrelas e que anda no meio dos sete candeeiros de ouro (1): Esta descrição de Jesus vem de 1:12-13,16,20 e mostra o conhecimento e a soberania de Jesus em relação às igrejas. Tanto os efésios como os discípulos nas outras igrejas precisavam lembrar da presença de Jesus. Ele anda no meio das igrejas, observando o procedimento delas, e pronto para agir quando for necessário. Segurando as sete estrelas, ele demonstra seu poder e domínio.
Conheço as tuas obras (2-3): Jesus elogia várias qualidades da igreja em Éfeso:
● Labor e perseverança – Deus quer servos dedicados que não desistem (Tiago 1:4). Jesus falou da importância da perseverança diante de perseguição (Mateus 10:22; veja Romanos 5:3; Tiago 1:12), observando que perseguições causam o amor de muitos a esfriar (Mateus 24:10-13). Devemos perseverar na oração (Atos 1:14; Colossenses 4:2; 1 Timóteo 5:5), na doutrina verdadeira (Atos 2:42; 1 Coríntios 15:1), nas boas obras (Romanos 2:7) e na graça de Deus (Atos 13:43). Na sua perseverança, os efésios suportaram provas e não se desanimaram.
● Não suportar homens maus – Depois de tantas advertências sobre o perigo de falsos mestres, a defesa da verdade se tornou um ponto forte da igreja de Éfeso. Homens que se alegavam ser apóstolos foram postos à prova e achados mentirosos (veja 1 João 4:1). Precisamos do mesmo zelo da verdade hoje. O mundo religioso está cheio de pessoas que se dizem profetas e apóstolos. Devem ser avaliadas conforme a palavra de Deus. Pessoas que alegam trazer novas revelações são mentirosas (Gálatas 1:8-9; 1 Coríntios 13:8; Judas 3). Os apóstolos eram testemunhas oculares de Jesus ressuscitado (veja Atos 1:22; 1 Coríntios 15:8-9). Aqueles que se chamam apóstolos, hoje em dia, são falsos mestres. Não devemos suportá-los.
Tenho ... contra ti (4): O problema dos efésios não foi uma questão de doutrina correta, mas de amor. Abandonaram o seu primeiro amor. Esqueceram dos grandes mandamentos que formam a base para todos os ensinamentos de Deus (Mateus 22:37-40). Paulo instruiu os efésios sobre a importância do amor como alicerce da vida do cristão (Efésios 3:17; 4:2,16: 5:2; 6:23). Não devemos distorcer esta advertência para criar um conflito entre o amor e a verdade. Podemos defender a verdade, como os efésios fizeram e, ao mesmo tempo, praticar o amor. Foi exatamente isso que Paulo pediu aos efésios: “Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo” (Efésios 4:15).
Lembra-te, arrepende-te e volta (5): Jesus pede três respostas dos efésios:
1. Lembra-te, pois, de onde caíste: Não foram as alfarrobas dos porcos que levou o filho pródigo ao arrependimento; foi a lembrança da casa do pai. Para os efésios se arrependerem, teriam que lembrar da comunhão com Deus que deixaram para trás. Para permanecer fiéis, a presença de Deus precisa ser a coisa mais preciosa na nossa vida. Uma vez que caímos, é necessário desenvolver novamente o amor para com ele.
2. Arrepende-te: O arrependimento é a mudança de atitude. Quando decidimos deixar o pecado e fazer a vontade de Deus, nós nos arrependemos. O pecador precisa se arrepender antes de ser batizado para perdão dos pecados (Atos 2:38). O cristão que tropeça precisa se arrepender e pedir perdão pelos seus pecados (Atos 8:22). Aqui, uma igreja cujo amor esfriou-se precisa se arrepender.
3. Volta à prática das primeiras obras: A mudança de atitude (o arrependimento) produzirá frutos (Mateus 3:8). Pelas obras, a pessoa arrependida mostrará a sinceridade da sua decisão. A igreja em Éfeso precisava voltar à prática do amor.
Se a igreja não se arrepender, Jesus removeria o seu candeeiro. Eles não permaneceriam na abençoada comunhão com o Senhor.
Odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio (6): Mais um ponto a favor, reforçando o elogio dos versículos 2 e 3. Os nicolaítas são mencionados somente aqui e na carta à igreja em Pérgamo (15). Não sabemos a natureza precisa do seu erro, mas sabemos que era abominável a Deus. Neste ponto, os efésios odiavam o que Deus odiava. Nós devemos fazer a mesma coisa, sendo amigos do bem (Tito 1:8) e detestando o mal (Salmo 97:10).
Quem tem ouvidos, ouça (7): Freqüentemente, Jesus chama os ouvintes a ouvirem a sua mensagem (Mateus 11:5; 13:9,43; etc.). O problema de um coração teimoso se reflete nos ouvidos tapados que recusam ouvir a verdade (Mateus 13:15). Os efésios provaram aqueles que falavam, agora eles seriam provados pela maneira de ouvirem.
O Espírito diz às igrejas (7): Jesus transmitiu a sua mensagem por meio dos anjos das igrejas (2:1,8,12,18; 3:1,7,14), mas o Espírito, também, participa da revelação (veja 1:4) e da recompensa dos fiéis.
Ao vencedor ... árvore da vida ... paraíso de Deus (7): A recompensa aguarda os vencedores que perseveram no amor e na verdade. Aqueles que desistem, abandonando para sempre o seu amor, não receberão o galardão. Jesus descreve a comunhão com Deus em termos que nos lembram do jardim do Éden. Por causa do pecado, o homem foi expulso do jardim em que Deus andava (Gênesis 3:22-24,8). Aqueles que andam com Deus têm a esperança da vida no paraíso do Senhor.
Conclusão
Uma igreja rodeada por religiões falsas e sujeita à influência de homens maus precisa examinar todos os ensinamentos e rejeitar todas as falsas doutrinas. Mas ela precisa, também, demonstrar o amor verdadeiro para vencer o mal. Devemos amar a verdade, não somente pelo desejo de ser “corretos”, mas porque ela vem do Deus que merece nosso amor. Devemos amar aos outros, porque foram feitos à imagem e semelhança de Deus. “Amados, se Deus de tal maneira nos amou, devemos nós também amar uns aos outros” (1 João 4:11).
Pastor Eliel de Souza